segunda-feira, 25 de julho de 2016

23.7.16 - Sesimbra

Estou apaixonado pela região de Lisboa: a natureza, a paisagem, a gastronomia, as pessoas. Depois de ter descoberto a Serra da Arrábida, dos banhos na Comporta ou as ondinhas de Sintra, voltei à capital e subi e desci o Bairro, revi locais, fui à Rua Rosa descobrir o "Sol e Pesca", deliciei-me na "Tasca da Esquina", do Vitor Sobral. Em Carcavelos, visitei o novo espaço do Alex, o "Sushi Toro", e saboreei um peixe fresquíssimo.
Em todo o sítio tive o mar à mesa: cru, em conserva, ou cozinhado da forma mais simples à mais delicada. Deliciosamente em todos eles.
Sendo eu um amante da natureza e do mergulho, além do mar à mesa, tinha que ver a vida que este mar tem. Assim sendo, fui uma vez mais até à Península de Setúbal, a Sesimbra, para ver a natureza no seu estado selvagem.
Com os mergulhadores do Cipreia, dirigi-me ao River Gurara, um cargueiro nigeriano afundado a 26 de Fevereiro de 1989, a sul do Cabo Espichel, num dos que foi considerado dos maiores acidentes marítimos dos últimos anos em Portugal: metade da tripulação morreu, sob o olhar de todos que nada conseguiram fazer. Hoje é um dos pontos obrigatórios do mergulho em Portugal e está entre 16 e 25 metros de profundidade.
Usando nitrox, entrei no gélido Atlântico para descobrir o porquê de, na superfície, haver uma gastronomia tão rica: um ruivo deu-nos as boas-vindas, com as suas barbatanas bem hirtas. Atentos ao fundo do mar, como fuçando a areia, salmonetes. Uma garoupa bem grande decidiu aparecer e, dentro dos seus fundo buracos, a cabeça esguia e o olhar atento de três safios.
Num segundo mergulho, mais junto à simpática vila piscatória, uns quantos polvos e, estando nós em Sesimbra, cardumes de sardinhas.
Faltou aparecer um lavagante, que estava prometido; mas a preguiça deve tê-lo feito ficar no buraco em vez de vir saudar as pessoas. Mal educado!
Antes de rumar à capital, ainda houve tempo de no "Formiga" e com vista para toda a baía, me regalar com choco frito e salada de búzios, além de navalheiras e lambujinhas.




Sem comentários:

Publicar um comentário