quarta-feira, 17 de junho de 2015

17.6.15 - Salzburgo | Innsbruck | Munique

Hoje acordei de madrugada, sinal que me ando a adaptar aos horários da Europa Central e à exposição ao sol. Ainda bem, aproveito melhor o dia.
Salzburgo estava cinzento mas nem por isso deixei de abrir a capota mal cheguei a carro. O percurso ia ser "para desfrutar" e, nada melhor que fazê-lo tendo o céu como tecto.
Fui de Salzburgo a Innsbruck e, depois, para Munique, sem calcar autoestrada.Que regalo.
Montanhas, vales, lagos, picos com neve; vacas, ovelhas, cavalos; apesar do ronco do TT, consegui ouvir o chilrear dos pássaros, além de ver asas de grande envergadura a sobrevoar o céu. Que maravilha!
Ao passear pelos Alpes não custa imaginar de onde vêm todas as lendas fantásticas com Broomhilda, Hansel e Gretel, ou onde Strauss se foi inspirar para compor o Danúbio Azul ou Vozes da Primavera.
Chegado a Innsbruck, a ideia era ver a cidade. Contudo, quando vi a pista de saltos de ski, não resisti em ir até lá. Surpreendeu-me o espaço, na TV parece muito maior e mais largo. Tive a sorte de estarem atletas a treinar e pude ver de perto, pela primeira vez, o voo dos morcegos. Depois subi ao terraço do restaurante do complexo e tive uma panorâmica dos Alpes. Lindo!
A estrada que segui depois de Innsbruck em direcção a Munique é de sonho. Pelas curvinhas e por ser praticamente feita ao lado de um lago de água verde clara.
Com tamanha paisagem, parei no restaurante Panorama e estive a meditar sobre a água. Penso que me serviram um panado e a cerveja era boa. Mas isso foi o menos importante.
Nesta estrada cruzei-me com centenas de motos, de todo a espécie e feitio, com todas as matrículas possíveis. Como me sinto motard - apesar de estar em 4 rodas - cumprimentei-os a todos como o pessoal das motos faz.
Munique está caótica, com obras em todas as principais artérias. Apesar disso, a cidade impõe-se. Igrejas enormes, assim como os principais edifícios, mostrando o poderio do Império.
A cidade é multicultural, sendo poucos os alemães que encontrei na rua, em comparação com os turistas e emigrantes.
Por falar em emigrantes, vi uma manifestação minúscula, em que um orador dizia que o estado Islâmico era idêntico ao Nacional Socialismo. Do outro lado lado da manifestação, atrás da polícia de choque, um grupo de jovens com aspecto árabe tentavam fazer mais barulho que o orador.No total, penso que seriam mais polícias que manifestantes, pós e contra.
Depois de passear pelos jardins à beira rio fui ao mercado, beber um cerveja.
Amanhã, antes de ir para casa, vou ao museu da BMW.

Sem comentários:

Publicar um comentário